Um lugarzinho no meio do nada

7 abr

Voltei às minhas andanças em busca de um novo lugar para morar. É, eu sei que essa história pode acabar em pizza, mas juro que se encontrar algo pelo qual me apaixone absurdamente, terei coragem de sair da casa do papai. (Mas só por um tempo, é claro…)

Hoje fui visitar um sítio em Vargem Grande. O ponto final do ônibus 707, que era no terminal rodoviário Alvorada,  agora fica em frente ao Downtown. Fiquei feliz, saltitante e empolgadíssima. As energias estavam muito-mais-que-concentradas no local: até o busão mudou seu curso!

O início da “viagem” foi meio chato. Não gosto dessa selva de pedra que é a Barra da Tijuca. Tudo é tão artificial, que me sinto presa em uma gigantesca maquete de isopor. Tanta perfeição me deixa em agonia. Só fiquei total em paz quando o busão adentrou uma estrada linda, repleta de verde e cheiro de mato. Como não sou nem um pouquinho influenciável, logo pensei “o meu lugar é aqui”. Passados vinte minutos, o que era lindo já havia se transformado num matagal. A paisagem era a mesma, mas o meu olhar…

Gente, para chegar no tal sítio, eu precisava seguir até o ponto final do bus, virar numa rua, depois em outra e caminhar uns 400 metros. E, embora nem tenha muita noção de “quilometragem”, achei que era demais para as minhas pernocas. Vejam só que coisa vergonhosa: assim que passou aquele complexo da Record, eu desci do bus, atravassei a rua e esperei outro para voltar! (risos²)

Ah, gente, por favor! Já tinha passado uma hora e vinte minutos e o sítio não chegava nunca. É, desisti, eu confesso! Mas também devo dizer que amei o lugar, especialmente pela simplicidade das pessoas que vivem ali. É como uma cidade do interior onde todo mundo se conhece. Há muita gente pobre mas, creio, feliz. No ônibus, tinha uma senhorinha *foufa* levando uma galinha para servir no jantar, segundo a própria me contou. Dá pra acreditar? Muito cute cute! É uma pena ser um lugar tão distante do meu dia-a-dia, que se resume ao percurso GáveaBarra. De hoje em diante, sempre que ouvir (e cantar, é claro) aquela musiquinha “Era uma vez”, cantada pela dupla Sandy e Jr, vou me lembrar de Vargem Grande. Para sempre, no coração.

Ps.: Era uma vez um lugarzinho no meio do nada, com sabor de chocolate e cheiro de terra molhada…

Beijokas e pipokas!

Anúncios

3 Respostas to “Um lugarzinho no meio do nada”

  1. Ana Carolina 08/04/2009 às 13:21 #

    você quer sair da casa dos seus pais pra morar em um sitio, sozinha? Parabéns, vc é super corajosa.

  2. Thiago (Bob) 10/04/2009 às 00:31 #

    Pode deixar que nao me esqueci de voce e estou procurando, bjs

  3. aliceinside 01/05/2009 às 16:41 #

    kkkkkk q engraçado! Imaginei sua trajetória, visto que morei em Vargem Grande em um sítio qdo era pequena, até o 5 anos de idade, em uma rua mágica chamada Esperança e que tinha no final uma praça chamada Caridade =)

    Lá é tudo de bom mesmo mas, sozinha… só em sonho hein!! rsrs
    Beijinhos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: